De Férias no México: Descobrindo Cancún

Navegando em direção a Isla Mujeres

Olá! Chega de escrever apenas sobre assuntos técnicos, hoje vou relatar minha viagem de férias com minha namorada Taciane.

Viajamos para Cancún, no México no dia 9 de Julho de 2019 e descobrimos suas belezas (e malandragens) até o dia 15. Nesta semana longe do Brasil tivemos contato com pessoas de várias partes do mundo, além de conhecer um pouco da cultura mexicana.

Como tem toda viagem tivemos experiências: muitas boas e outras nem tanto, assim separei abaixo a viagem por etapas e procurei relatar minhas experiências, acertos e erros. Espero que ajude!

 

A Viagem de Ida

Saímos do Aerporto Internacional de Guarulhos (GRU) com um voo de cerca de 6 horas na classe econômica, da Copa Airlines a bordo de Boing 737-800, até o Aeroporto Internacional de Tocumen (PTY) na cidade do Panamá onde faríamos uma conexão para o Aeroporto de Internacional de Cancún (CUN), com uma espera de cerca de 2 horas.

Não há nada de espetacular no serviço de bordo e nem no conforto do avião, porém para o tempo de duração da voo estava tudo bem. O ponto forte foram os filmes disponíveis: laçamentos, clássicos e seriados, todos disponíveis com português (eu vi Dunkirk, queria ver a muito tempo!)

Quando desembarcamos no Panamá passamos pelo duty free do aeroporto de Tocumen e de fato é fantástico como já havíamos ouvido falar. Se você gosta de perfumes, roupas e eletrônicos leve (muitos) dólares a mais para fazer compras nele (deixe para fazer as compras na viagem de volta).

Após a espera pelo nosso voo até Cancún, embarcamos mais uma vez pela Copa, dessa vez a viagem duraria cerca de 2:30 horas, também em um Boing 737-800, porém mais simples, não havia uma TV para cada assento, e o serviço de bordo foi mínimo.

A chegada no aeroporto CUN foi bem tranquila, resgatamos nossa bagagem despachada: 2 malas por pessoa, e já estava bem calor e caótico, mas conseguimos encontrar a empresa que faria nosso translado para o hotel sem maiores problemas.

 

O Hotel Golden Parnassus

Vista noturna da nossa sacada.

Nosso hotel ficava na zona hoteleira de Cancún, no esquema all inclusive, o que significava que teríamos pensão completa: café da manhã, almoço e jantar, além de bares com toda tequila e cerveja a disposição. No geral, achei muito bom para um 3 estrelas, mas pecava em alguns aspectos.

O que mais me incomodou no hotel foi: 1 dia de wifi = 12 USD. Sim, cobrava-se pela conexão com a internet, que segundo outros hospedes não era lá essas coisas. Resolvemos o problema da internet indo até uma loja de conveniência chamada Oxxo, lá compramos um chip da Telmex junto com um plano de dados por cerca de 12 USD. O pacote de dados foi suficiente para todos os dias da viagem e ainda sobrou e eu ainda estava roteando internet para o celular da Taci (usamos apenas as redes sociais, nada de vídeos no YouTube).

Fora o roubo da internet, tudo me pareceu muito bom: limpeza, serviço de quarto e pratos disponíveis nos 5 restaurantes, porém o horário de funcionamento era bastante limitado, apenas até as 22:30, uma pena.

Recomendaria o hotel? Sim, mas não voltaria por conta da “minha política” de não repetir lugares para poder viver mais experiências. Se bem que repetir lugares pode ser uma, explicarei sobre isso lá nas conclusões.

Mais sobre as acomodações do hotel: nosso quarto era de vista para o mar, a cama era grande e confortável e o banheiro não tinha tranca na porta, a água do chuveiro e da pia tinha um cheiro estranho, lembrava uma água de rio.

Tinhamos uma praia “do hotel” a disposição, no primeiro dia estava repleta de algas (nos disseram que era assim em todo caribe mexicano), mas no segundo dia a maré havia levado boa parte embora. As águas quentes nos convidávamos para um banho de mar todos os dias! (apesar da grande quantidade de algas presente em todo caribe mexicano). As praias de areia branca e fina eram limpas e podemos jogar uma partida de vôlei com amigos da Colômbia, foi uma experiência fantástica!

No checkout do hotel tivemos que pagar um imposto de cerca de 10 USD pelo uso da praia

 

Parque xCaret

Um super termas dos laranjais. Dispensável.

 

Visita a Chichén Itzá

Visitamos o sítio arqueológico que foi o último grande reduto maia antes da dominação espanhola. Vale muito a pena para conhecer o modo de vida e admirar as ruínas.

Um dos últimos redutos Maia

Também há uma feira local onde você pode comprar as “lembrancinhas”, pechinche muito, mas muito mesmo e total atenção à qualidade dos objetos”.

 

Isla Mujeres e Dolphines Discovery

Será que os golfinhos gostam de trabalhar assim?

Fizemos um passeio de barco, porém para embarcar tivemos que pagar 50 USD de impostos! Curioso é que já havíamos pago o pacote com tudo incluso, taxas e impostos. Quando fechar pacotes assim, peça tudo por escrito, na lingua local ou em inglês, em papel timbrado pela empresa de tour, assinado pelo responsável e com um endereço para maiores informações.

Na isla mujeres visitamos o Delphines Discovery, onde participamos de uma atividade com os golfinhos e depois seguimos para o parque do garrafon. Pessoalmente eu não indico ir até o Garrafon, não vale o esfoço.

 

Viagem de Volta

Foi no mesmo esquema da ida, só que ao contrário rsrs Mas com uma diferença desagradável: lá no começo do texto eu disse que havíamos despachado duas malas por pessoa, no checkin da Copa eles mudaram as regras que já havíamos contratado e pago no Brasil!

O que fizemos? levamos as malas, que eram pequenas, como malas de mão. Sabe o que aconteceu no embarque? Eramos o grupo 2, logo entramos após a classe executiva e logo acomodamos nossa bagagem. Os outros que entraram por último não tiveram a mesma sorte. Vai entender essa Copa…

 

Conclusão

Em julho é alta temporada lá, cruzamos com vários gringos americanos e nos deparamos com preços absurdos! Se você quer ir para conhecer, ótimo, vá e prepare o bolso.

A Taci já esteve em Punta Cana, na República Dominicana, que tem essencialmente tudo que há em Cancún, porém mais barata e tão bela quanto.

Se o seu propósito e uma viajem para descansar fique em um hotel e aproveite tudo que ele tem a oferecer, se possível na Isla Mujeres. Toda via recomendo a visita à Chichen Itzá.

Leve pelo menos, no mínimo do mínimo 1.500 USD para poder pagar os passeios, impostos, gorjetas e gastos a mais que você tiver: troque o dinheiro! Muitas cédulas de 1, 5, 10 e 20. Se você for “cambiar” lá, eles vão querer te dar o troco em pesos. Vai levar pesos? Dá certo também, porém você terá que levar uma carteira bem gorda! Atualmente a cotação está em 1 USD vale aproximadamente 17,50 pesos mexicanos… Cotação com o peral? Nosso dinheiro vale aproximadamente 5 vezes o peso, ou seja 1 peso mexicano = 0,2 reais. Isso não significa que as coisas são baratas! Os preços são pensados em dólar, porque Cancún é para os americanos.

No fim vale a pena? Sim, pela descoberta da cultura, praias e contato com outros povos: treinar o portunhol e o inglês macarrônico.

Abraços,

Tiago

Dicas para uma Viagem de Avião

Olá! Neste post eu deixo algumas dicas que sigo quando vou viajar de avião, espero que possa ajudar!

Roupas

Use uma camiseta confortável com um moletom por cima, já entrei em aviões frios e quentes, não sabemos a intensidade do ar condicionado né? Se tiver muito calor, você poderá usar o moletom como travesseiro.

Calça moletom ou e ginástica. Opte por um modelo com bolsos fundos e que tenha zíper: no aeroporto você deverá portar os cartões de embarque os passaportes e assim seria ótimo ter onde guara-los e manter as mãos livres.

Use o crocks! É cafona? Bem, eu acho. Mas são fáceis de calçar e descalçar, além de confortáveis. Use meia, pois sentir frio nos pés não é nada agravável, assim você poderá tirá-los no avião.

Acessórios

Leve um travesseiro cervical, isso evitará que você durma com o pescoço torto e assim sem aquele torcicolo quando chegar ao seu destino.

Leve seus fones de ouvido! Os fones que são oferecidos no avião não são muito bons e eu recomendo que vc use fones durante o voo. Há o zumbido das turbinas e com os fones dá pra abafa-los ouvindo sua playlist favorita (lembre-se de baixar os arquivos offline) ou ainda assistir um filme na TV do seu assento.

Como Dormir?

Pessoalmente eu não consigo dormir em um avião, seja pelo barulho, pelas luzes que nunca se apagam, pelo passageiro do lado pedindo para ir ao banheiro, pelo espaço apertado ou mesmo pelo serviço de bordo.

Quando consigo é graças ao dramin que tomo nos voos mais longos (maiores que 2 horas), mas não exagero na dose, apenas para dar aquela moleza. Outra dica é o musculare: além de te relaxar vai dar sono, só tenha cuidado com a posição que você dormir.

A Comida

Dependendo do horário do seu voo você poderá contar com refeições completas a bordo. No voo para Etiopia em 2018 pela Ethiopian Airlines contamos com café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. As bedidas a bordo geralmente são água, sucos, refrigerantes, vinhos e tá whisky.

O Banheiro

Já pensou em fazer um número dois com turbulência? Vá ao banheiro ainda em terra, geralmente os aeroportos tem bons banheiros (exceto Addis Abbaba, era bem ruim). E claro, em voos mais longos, de 10 ou 12 horas prepare-se antes: não coma igual um javali e nem alimentos que você sabe que lhe causam gases. Segurar um peido por 12 horas pode ser uma missão bem difícil e se você tem problemas com isso, considere um luftal.

Para as meninas eu vou advertir: em alguns aviões os banheiros são misturados e nós homens podemos ter uma mira bem ruim e assim as bordas do assento podem esta repletas de respingos de urina… a dica é: evite bebidas diuréticas antes de embarcar e durante o voo.

A dica geral do banheiro é: não use! Se for usar, use antes do jantar.

Aproveite!

Abraços,

Tiago